SBICafé
Biblioteca do Café

Gradiente de pressão estática em camadas de frutos de café (Coffea arabica L.) com diferentes teores de umidade

Show simple item record

dc.contributor.advisor Couto, Sandra Maria pt_BR
dc.contributor.author Afonso, Adriano Divino Lima pt_BR
dc.contributor.other Universidade Federal de Viçosa pt_BR
dc.date 2001-01-01 00:00:00.0 pt_BR
dc.date.accessioned 2015-01-14T13:05:08Z
dc.date.available 2015-01-14T13:05:08Z
dc.date.issued 1994 pt_BR
dc.identifier.citation Afonso, Adriano Divino Lima. Gradiente de pressão estática em camadas de frutos de café (Coffea arabica L.) com diferentes teores de umidade. Viçosa : UFV, 1994. 68p. : il. (Dissertação - mestrado em Engenharia Agrícola) Orientador: Sandra Maria Couto Moreira T 633.7368 A257g 1994 pt_BR
dc.identifier.other 101671 pt_BR
dc.identifier.uri http://www.sbicafe.ufv.br/handle/123456789/67
dc.description Dissertação de Mestrado defendida na Universidade Federal de Viçosa pt_BR
dc.description.abstract Em virtude da carênciade informações sobre o gradiente vertical de pressão estática em uma massa granular de café em coco, com diferentes teores de umidade, este trabalho objetivou estimar os parâmetros de um modelo que pudesse explicar o comportamento da pressão estatica e m função da densidade do fluxo de ar, do teor de umidade, da massa específica global e da profundidade da camada do produto. Grãos de cafe em coco da variedade Catuaí, colhidos manualmente, com teor de umidade médio inicial de 1,89 b.s., foram submetidos à secagem em terreiro até que atingissem os teores de umidade desejados para o experimento. Para a realizaqão do experimento, f o i construído um dispositivo constituído basicamente de um ventilador centrífugo, uma câmara plenum e uma coluna de teste, na qual o produto foi colocado de maneira que não ocorresse compactação. Foram realizados testes com o café em coco que apresentava os seguintes teores de umidade: 0,14; 0,16; 0,20; 0,30; 0,45; 0,67; 0,91; 1,46 e 1,89 b.s.. Utilizaram-se valores de densidade do fluxo de ar compreendidos nos intervalos de 1 a 30 m3. min -1 .m .-2. Pelos coeficientes de determinação ajustados, concluiu-se que a variável teor de umidade do café em coco não teve influência significativa para o gradiente de pressão estática e que a densidade do fluxo de ar, em todos os testes, foi a variável que mais contribuiu para a variação da pressão estática em função da profundidade da camada de grãos. Observou-se, também, que, apesar da variável teor de umidade não contribuir para o ajuste do modelo, o cafe úmido lavado apresentou menor resistencia ao fluxo de ar do que o café seco. Comparado aos outros produtos agricolas, o cafe em coco ofereceu menor resistencia à passagem do ar atraves de sua massa granular. pt_BR
dc.description.sponsorship Universidade Federal de Viçosa pt_BR
dc.language.iso pt_BR pt_BR
dc.publisher Universidade Federal de Viçosa pt_BR
dc.subject Cafe Secagem Gradiente de pressao estatica Aeracao Resistencia ao escoamento de ar pt_BR
dc.subject Coffee Drying en
dc.subject.classification Cafeicultura::Colheita, pós-colheita e armazenamento pt_BR
dc.title Gradiente de pressão estática em camadas de frutos de café (Coffea arabica L.) com diferentes teores de umidade pt_BR
dc.type Dissertação pt_BR

Files in this item

Files Size Format View
101671f.pdf 3.298Mb application/pdf View/Open ou Pre-visualizar

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search DSpace


Sobre o SBICafé

Browse

My Account